segunda-feira, 19 de maio de 2014

Você é realmente livre?

(Imagem do Google)

No dicionário, dentre inúmeros significados, a palavra “liberdade” exprimi o sentido de a pessoa exercer livremente a sua vontade e ainda, de não ser sujeita ao controle dos outros. Até aqui não relatei nenhuma novidade. Então, a liberdade é isso: Fazermos o que temos vontade. Somos livres, afinal!

Quando nos sentimos atraídos em ficar com várias pessoas em uma festa; quando passamos do limite e bebemos mais do que nosso corpo pode suportar, quando corremos como loucos no trânsito, mesmo sabendo que é proibido... Fazemos essas coisas porque somos livres e “ninguém tem nada com a nossa vida”.

Vamos adentrar mais fundo nesse assunto. Falaremos agora, de liberdade interior. A verdadeira independência está em dizer “não” para nós mesmos. É aí que nos tornamos verdadeiramente livres. Quando falamos “não” aos nossos desejos carnais, e deixamos de usar o corpo do outro e o nosso próprio, para ter prazer momentâneo; tornamos-nos livres para amar o próximo na sua essência.

Quando renunciamos a vontade de ficar alcoolizados porque é “legal e todo mundo faz”, adquiridos o autocontrole do nosso ser e assim, nos tornamos seres humanos cada vez mais libertos dos paradigmas desse mundo louco. Ser livre também consiste em dizer não! A liberdade também é feita de podas e nos torna pessoas melhores.

“Assim é a liberdade que Deus dá.” Deus nos ama tanto, que nos deixa livres para fazer nossas próprias escolhas. Coloca diante de nós, o bem e o mal, a vida e a morte, nos permite escolher. Sejamos livres para escolhermos a vida!

Por: Carol Cunha