quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Fakes: Você curte?

Quando as coisas começam a ficar muito complicadas e se torna difícil o relacionamento e a socialização da pessoa viciada em jogos, é fundamental o apoio psicológico de um profissional da área. É o especialista quem percebe e consegue dar o melhor diagnóstico para o tratamento.

Com o intuito de analisarmos a mente humana, entrevistamos uma profissional de psicologia. Renata Ruelles, de 26 anos, se formou na Universidade Estácio de Sá, em 2010, atua na área desde então.

(Imagem do Google)

1) As pessoas conseguem sempre diferenciar os jogos online da vida social, real?
Quando adulto, sim. A não ser que a pessoa apresente algum outro tipo de patologia.
Para o diagnóstico formal do Transtorno de Jogos Compulsivos, não há menção de perda da realidade, apenas a obsessão por repetir o comportamento de jogar devido a liberação de dopamina no circuito de recompensa da pessoa. Entretanto, quando criança ou até mesmo adolescente, pode haver uma distorção da realidade, visto que o cérebro ainda não está totalmente formado, impossibilitando-os de ter o discernimento para diferenciar o virtual do real. 

2) O que o vício dos jogos online pode causar?
Assim como todo vício, a pessoa se torna dependente de tal atividade para obter uma recompensa que muita das vezes é imediata e a expectativa de ganhar reforça o comportamento. O vício é uma patologia, e neste caso, ela pode deixar de ter uma vida social ativa, se comprometendo mais com o jogo do que com suas responsabilidades rotineiras. Dependendo do caso, o jogador pode deixar praticar suas necessidades básicas, como alimentação e higiene. Um dos principais problemas que o vício pode causar é a dependência psicológica e o comportamento antissocial.

3) Como os pais podem perceber que o filho é dependente dos jogos?
Quando o jogo começa a tomar mais tempo na vida do seu filho que as demais atividades necessárias, se ele deixa de praticar atividades que anteriormente fazia parte da sua rotina e passa a ficar a maior parte do tempo na frente do computador, se ele prefere jogar a estar em convivência com outras pessoas, se tem alteração do humor quando não está jogando, já é algo para estar em alerta e tomar algumas providências. Em casos mais urgentes, o jogador deixa de praticar atividades vitais, como dormir e se alimentar.

4) Que tipo de outros vícios a pessoa pode ter na internet, além dos jogos?
A própria internet pode ser um vício, e junto com ela, os chats, sites de relacionamento e pornografia. Esses são os mais comuns.

5) Por que os jogos são tão viciantes? 
Porque trazem um tipo de recompensa que muita das vezes a pessoa não recebe no dia a dia, principalmente quando possui baixa autoestima ou é tímida, ou sofre bullying. O jogo virtual e seu avatar permitem que a pessoa seja o que gostaria de ser na realidade e que por algum motivo não consegue ser. O jogo lhe dá a sensação de poder e domínio e respeito.

Por: Carol Cunha